• adautossilva

Paciente de Covid-19 recebe alta médica do Hospital de Retaguarda da Nilton Lins

Mulher de 71 anos está recuperada, fora do período de transmissão do vírus

A equipe médica do Hospital de Retaguarda da Nilton Lins concedeu, nesta terça-feira (21/04), a primeira alta médica para uma paciente de Covid-19 da unidade. A paciente, de 71 anos, foi a primeira a dar entrada no Hospital Nilton Lins na tarde do último sábado (18/04), encaminhada do SPA e Policlínica Danilo Corrêa. Após um total de 10 dias de tratamento, ela está recuperada e fora do período de transmissão do vírus. “A paciente teve sete dias de tratamento em outra unidade e ficou mais três dias no Hospital Nilton Lins. Aqui ela ocupou inicialmente a sala de observação e depois um dos leitos clínicos. Todos os cuidados foram prestados, seguindo os devidos protocolos e o fluxo de atendimento”, destacou a subdiretora do Hospital de Retaguarda da Nilton Lins, tenente Adeagna Laborda.

O controle de pacientes que dão entrada no hospital é feito exclusivamente pelo Sistema de Regulação, que seleciona pacientes, por ordem de prioridade, para serem transferidos de outras unidades de saúde, como Unidades e Serviços de Pronto Atendimento (UPAs e SPAs). “É importante enfatizar que somos um hospital de campanha e recebemos pacientes de média e alta complexidade. É feito o protocolo com cloroquina, eletrocardiograma e todos os procedimentos recomendados. Nossa intenção é sempre a recuperação do paciente, buscando desafogar, principalmente, os SPAs”, acrescentou a subdiretora.

Capacidade – A unidade começou a operar, inicialmente, com 66 leitos, sendo 16 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Atualmente 10 pacientes estão em leitos clínicos, dois estão na sala vermelha, quatro estão em observação na sala crítica e outros dois estão internados em leitos de UTI. “O hospital está pronto para receber pacientes, conforme a demanda da regulação. Nossa maior preocupação nesse momento é que os pacientes que venham a ser transferidos estejam dentro dos critérios necessários e tenham condições de passar pelo procedimento de remoção, para garantir uma transferência segura”, frisou a subdiretora Adeagna Laborda.

O Governo do Estado continua o trabalho na busca de insumos e recursos humanos para alcançar a capacidade máxima da unidade, de 400 leitos. FOTOS: Michell Mello / Secom

©2019 Portal de Notícias@.com / Por Adauto Silva

  • Ícone preto do Facebook
  • Ícone preto do Twitter
  • Ícone preto do Pinterest
  • Ícone preto do Instagram